A Secretaria de Saúde de Barra Mansa, através do Programa de DST/Aids e Hepatites Virais, está intensificando durante o mês de outubro a oferta de teste rápido de sífilis nas unidades de saúde do município. Na última semana, o caminhão da Secretaria de Estado de Saúde esteve na cidade realizando os testes, atendendo 44 pessoas, sendo que oito foram reagentes, ou seja, positivos para a doença.

Esses pacientes foram encaminhados imediatamente para um médico que iniciou o tratamento e para a confirmação do exame. Os testes rápidos de sífilis, HIV e Hepatites Virais já são oferecidos nas unidades de saúde, de segunda a sexta-feira, de 8h às 17 horas. No mês passado, foram realizados quase dois mil testes.

De acordo com a gerente de Vigilância em Saúde, Ana Lúcia Deveza, a demanda para o teste é livre, tanto para homens quanto para mulheres. “A sífilis é transmitida através de relação sexual sem uso de preservativo. Os primeiros sintomas são feridas indolores na região genital que, se não forem tratadas, desaparecem espontaneamente e retornam depois de semanas, meses ou até anos nas suas formas secundária ou terciária, que são mais graves. Por isso, é importante o diagnóstico precoce”, alertou.

Após uma infecção, os pacientes desenvolvem os primeiros sintomas entre 10 e 90 dias. Porém, mesmo que ainda não apresentem sintomas podem contaminar seus parceiros sexuais. Na sífilis primária aparece uma lesão no órgão genital. As queixas desaparecem, mesmo se nenhum tratamento  realizado. E após cerca de seis semanas ocorrem erupção cutânea. Se não forem tratadas as lesões também desaparecem dando início a fase terciária da doença, podendo atingir diversos órgãos.

A coordenadora do Programa de DST/Aids e Hepatites Virais, Renata Rena, enfatiza que quando a sífilis surge durante a gravidez, existe o risco de infectar o feto, que contrai a sífilis congênita, uma situação que pode se tornar grave e causar má-formação, aborto ou morte do bebê. “Dados do Ministério da Saúde revelam que, em média, aproximadamente 37 mil gestantes são diagnosticadas com sífilis no Brasil. Desse número, 20 mil passam para os bebês. É importante que o tratamento seja feito, já que é simples, gratuito e pode curar”, ressaltou.

Compartilhar: